Cardiopatia congênita

Cardiopatia congênita é qualquer anormalidade nas funções ou na estrutura do coração devido a uma alteração durante o seu desenvolvimento, que acontece durante as primeiras oito semanas da gravidez, quando se forma o coração.

  • O problema atinge cerca de um em cada 100 bebês nascidos vivos;
  • 0,5% a 0,8% dos bebês que nascem são portadores de algum tipo de cardiopatia.

Diagnóstico de cardiopatias congênitas

Quanto mais cedo o diagnóstico for feito, melhor. Ainda no período gestacional, é possível determinar se existe alguma alteração no coração por meio de ultrassonografia morfológica. Se houver, é possível comprovar a existência de cardiopatia com um ecocardiograma fetal. O teste do coraçãozinho, que mede a quantidade de oxigênio no sangue, é feito ainda na maternidade e também é muito importante para rastrear cardiopatias congênitas graves.

Sintomas de cardiopatias congênitas

É importante informar ao médico se o bebê apresentar as seguintes alterações:

  • Pontas dos dedos ou os lábios roxos;
  • Transpiração excessiva e cansaço durante as mamadas;
  • Respiração acelerada enquanto descansa;
  • Pouco apetite associado a baixo ganho de peso;
  • Irritação constante.

Fatores de risco para as cardiopatias congênitas

Os fatores de risco mais comuns para cardiopatias congênitas são:

  • Rubéola durante a gravidez;
  • Gestante com diabetes;
  • Tomar alguns tipos de medicamentos durante a gravidez;
  • Consumo de álcool durante a gravidez;
  • Fumar durante a gravidez;
  • Hereditariedade.

Em caso de dúvidas ou para mais informações, sempre consulte seu médico.

Conteúdo relacionado no Prematuro

Referências