Síndrome do desconforto respiratório em bebê prematuro

A síndrome do desconforto respiratório (SDR), ou doença das membranas hialinas (DMH), é uma das complicações mais comuns em prematuros e pode fazer com que o bebê necessite da ajuda de aparelhos para respirar.

A SDR acontece quando ainda não há produção suficiente de surfactante pelos pulmões. O surfactante é uma substância que permite que os pulmões se expandam e se contraiam. A falta dele faz com que os alvéolos tenham um pequeno colapso a cada respiração e, assim, menos oxigênio é absorvido e mais gás carbônico permaneça no corpo, o que pode prejudicar todo o organismo.

Principais sinais da síndrome do desconforto respiratório no bebê prematuro

  • Dificuldade em respirar;
  • Cianose (coloração azul da pele e mucosas devido à redução de oxigênio);
  • Respiração rápida;
  • Chiados ao respirar;
  • Costelas aparentes enquanto o bebê se esforça para puxar o ar.

Para diagnosticar a síndrome, o médico vai observar as condições gerais do bebê e também pode pedir alguns exames, como o raio-x dos pulmões e exames para medir a quantidade de oxigênio e gás carbônico no sangue.

Tratamento da síndrome do desconforto respiratório no bebê prematuro

Uma das opções para o tratamento de SDR é colocar um tubo na traqueia no bebê por onde ele vai receber quantidades extras de oxigênio, como o CPAP ou mesmo o ventilador mecânico.

Além disso, o médico também pode optar por repor o surfactante de forma artificial, através do tudo de oxigênio. Medicamentos podem ser usados para ajudar a acalmar o bebê durante o tratamento para diminuir o desconforto dele.

Conteúdo relacionado no site Prematuro