Em Casa

Chegou o dia mais esperado, a vinda do bebê para casa. A partir de agora ele ficará sob os cuidados da família. Por isso é importante que todos se preparem para este momento, pedindo orientações ao médico sobre medicações ou procedimentos especiais. E para isso, deixe tudo muito bem anotado, indicando nomes, dosagens, períodos para administração ou demais recomendações importantes.

Neste momento a informação é fundamental, por isso, busque saber sobre os próximos passos e a evolução do quadro de saúde do bebê, e certifique-se de onde ou a quem procurar para o devido seguimento e acompanhamento de seu caso. Informe-se sobre as vacinas necessárias, e programe-se com antecedência para que a imunização de seu bebê seja feita de forma eficaz e no tempo certo.

Saber sobre as melhores práticas dos cuidados fundamentais do dia a dia do bebê como, por exemplo, a melhor posição para ser colocado no berço, troca de roupa, as fraldas, o banho, e a alimentação nesse período. E se o bebê necessita de cuidados suplementares com o auxílio de algum equipamento especial, é importante que a família seja muito bem instruída.

Um item fundamental para a saúde do bebê é a higiene, ainda mais nos prematuros cujo sistema imunológico é mais vulnerável e não está plenamente desenvolvido. Portanto, adotar o hábito de higienizar as mãos toda a vez que tiver contato com a criança é muito importante, e poderá prevenir uma série de eventos indesejáveis.

Outra questão a ser considerada é o contato com outras pessoas, lugares públicos e passeios. Com a chegada do bebê em casa é comum que ele receba muitas visitas. Oriente-se com o médico para saber se o bebê já está preparado, e qual o momento mais adequado. E lembre-se, sempre evite o contato da criança com pessoas que apresentam sintomas como resfriado, tosse e febre.

Manter informações básicas sobre os cuidados do bebê anotadas em um lugar que todos conheçam pode ajudar bastante, não apenas no dia a dia mas também em casos mais urgentes.
Informações como um telefone de referência para um caso mais grave, os medicamentos que o bebê pode precisar e sintomas mais comuns geralmente são muito úteis para quem cuida diariamente do bebê.

Comportamento

Como acontece com todos os outros, seu bebê prematuro terá épocas de desenvolvimento mais rápido seguidas por longos períodos em que parece que nada avança. Não se frustre, pois essa situação é perfeitamente normal. Além disso, lembre-se de considerar a idade corrigida do bebê para julgar suas habilidades, e no caso de dúvidas ou suspeitas, não hesite em consultar o seu pediatra.

É importante que você:

  • Não acelere o desenvolvimento do bebê antes que ele esteja preparado
  • Não o force a fazer atividades quando ele está cansado ou quando se nega a fazê-las
  • Passe o tempo com ele e encoraja-o
  • Mantenha a calma, respeitando o tempo certo para seu desenvolvimento
  • Concentre-se e valorize os seus progressos

Sono

Durante as primeiras semanas em casa o bebê passará mais tempo dormindo, sendo que inicialmente, ele poderá dormir entre 15 e 22 horas por dia. Ele passará por um período de adaptação à casa, e poderá estar confuso em relação ao dia e à noite. Se ele tiver dificuldade em dormir: 

  • Acenda uma luz e proporcione a audição de alguns sons de fundo, sempre baixinho
  • Gradualmente, reduza o barulho e a luz excessiva para ajudá-lo a se adaptar à casa
  • Mantenha a atenção do bebê no ato de mamar, em especial, nas mamadas noturnas, e evite brincar com ele neste momento
  • Quando ele atingir a idade corrigida de 6 a 8 meses você poderá esperar que ele durma a noite inteira.

Choro

Um bebê prematuro poderá não chorar muito, mas com o tempo, o fará com mais frequência.

De certo modo, o choro é um bom sinal de desenvolvimento. Ao chorar, o bebê pode estar estabelecendo uma comunicação, informando-o de que tem fome, está desconfortável ou cansado. Certifique-se de que ele não necessite de uma troca de fraldas, e observe o horário das mamadas. Sempre que pegar no colo aconchegue o seu bebê, e transmita carinho e segurança.

À medida que seu bebê cresce, provavelmente chorará menos, e seus períodos de sono tendem a se tornar mais regulares.

Atenção

Períodos de choro muito longos podem ser sinal de que o bebê está doente ou com dores.
Alguns bebês prematuros, em particular os menores, são muito barulhentos e podem chorar seis horas por dia. Mas se ele chorar durante um período muito longo, o que é anormal, você deve contatar o médico!

Nutrição

Os bebês prematuros têm o estômago menor, o que faz com que se alimentem menos, porém, com maior freqüência, em intervalos de três horas ou até menos. Também podem levar mais tempo para mamar até conseguir coordenar a sucção, a deglutição e a respiração. Lembre-se, ajude-o a se concentrar apenas no mamar, evitando falar ou distrai-lo, e procurando por ambientes calmos e sem luzes fortes. É fato que o bebê suga melhor quando está acordado

Alguns bebês podem sofrer de refluxo gastroesofágico, que é quando a criança não consegue impedir que o leite parcialmente digerido volte à garganta. A tendência é que a situação se normalize durante o primeiro ano de vida do bebê, no entanto, é importante ficar atento aos sinais e procurar ajuda do pediatra caso observe os seguintes eventos: 

  • Vomita com frequência
  • Para de respirar ou tem dificuldades respiratórias durante e após as mamadas
  • Encontra-se frequentemente irrequieto
  • Alimenta-se pouco e fica satisfeito muito depressa
  • Perde peso e tem dificuldade em ganhá-lo

O leite materno

O leite materno é a melhor fonte de nutrientes para uma criança, além de ajudar a proteger o bebê contra infecções. Mas o bebê poderá ter certa dificuldade para pegar o peito, pois se cansa com facilidade. Como não conseguirá esvaziá-lo completamente, a mãe pode precisar recorrer ao bombeamento dos seios com certa frequência.

Emergências

Os pais de bebês prematuros apresentam normalmente grande tendência para uma elevada ansiedade acerca do que é normal, e do que é considerado uma emergência para a criança. Veja a seguir quando entrar em contato com o pediatra e quando não se preocupar

Casos habituais com os quais a família não precisa se preocupar, desde que a manifestação não se apresente de forma excessiva:

  • Soluços
  • Espirros
  • Golfada ocasional
  • Esforço ao evacuar
  • Bocejos ou leve tremor do queixo ou dos lábios
  • Gases intestinais
  • Agitação dos braços e pernas quando chora
  • Ligeira congestão das narinas em ambientes secos

Sinais para alerta redobrado:

  • Recusa-se a comer ou come muito pouco
  • Chora excessivamente
  • Dorme muito e encontra-se menos ativo ou é incapaz de dormir e está irrequieto
  • Tosse frequentemente
  • Vomita ou regurgita com frequência
  • Respira mais depressa ou com maior dificuldade, com o tórax subindo e descendo
  • Tem diarréia frequentemente

Casos em que a família deve entrar em contato com o médico imediatamente:

  • Se o bebê apresenta febre superior a 37,8°C e tem menos de 1 mês de idade
  • Dorme muito pouco ou nada durante duas noites seguidas
  • Exibe sinais de desidratação (tem olheiras, apatia, boca seca e urina pouco)
  • Teve uma convulsão
  • Apresenta pintas roxas na pele que se assemelham a bolhas de sangue
  • Tem febre com inchaço nas articulações
  • Apresenta alteração considerável na respiração
Importante

Procure sempre a orientação de um médico, pois somente ele poderá diagnosticar com precisão, prescrever a medicação correta e garantir a segurança do bebê.