Na UTI

Os bebês prematuros, em especial os que nascem antes de 35 semanas de gestação, ou que são muito pequenos, necessitam de cuidados especiais. Ele poderá permanecer no berçário ou ser internado na Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) ou na Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal (UTIN).

Como os bebês prematuros têm dificuldade em controlar a temperatura corporal, a respiração e a alimentação, eles são colocados em incubadoras, ou berços aquecidos, o que ajuda a manter a temperatura ideal. Além do respirador que é importante para garantir o fornecimento de oxigênio, eles recebem a alimentação adequada por meio de um tubo a ser colocado no estômago ou por uma veia.

Tudo isto poderá parecer assustador em um primeiro momento, mas com a devida compreensão e orientação por parte dos profissionais da unidade, os pais se sentem tranqüilizados.
É importante que se estabeleça um contato mais íntimo com o bebê, tocando-o, acariciando-o com muita suavidade, porém, sem nunca descuidar da higienização das mãos, o que em alguns casos, poderá se exigir o uso de luvas e máscaras. Com o desenvolvimento da criança, pode-se inclusive alimentá-lo, limpá-lo e ajudar nos procedimentos diários. Esse processo é importante para que pais se preparem e se sintam seguros para receber o bebê prematuro em casa.

Conheça a equipe multidisciplinar que o ajudará nos cuidados com o bebê:

  • Neonatologista: é um pediatra que se especializou no cuidado do recém-nascido e normalmente atende no próprio hospital
  • Pediatra: não se envolverá diretamente no tratamento do bebê na UTI, mas pode ser um bom interlocutor para a família no momento da alta
  • Enfermeiro: é o responsável pelos cuidados intensivos do recém-nascido na UTI e também a pessoa que ajudará a mãe na amamentação
  • Assistente social: é o elo entre os pais e o hospital, que estará disponível para fornecer informações e apoio à família
  • Psicólogo: fornece apoio emocional a grupos de pais, irmãos e familiares de bebês internados na UTI
  • Fisioterapeuta: avalia e recupera o tônus muscular e eventuais dificuldades motoras do bebê
  • Fonoaudiólogo: avalia a função auditiva da criança por meio de testes realizados enquanto o bebê permanece internado
  • Cardiologista: é o médico especializado em problemas no coração
  • Neurologista: encarregado de diagnosticar e tratar doenças do cérebro e do sistema nervoso do bebê
  • Oftalmologista: trata eventuais problemas oculares, por exemplo, retinopatia da prematuridade
  • Nutricionista: recomenda técnicas especiais de alimentação até que o aparelho digestivo do bebê esteja maduro para a amamentação

A comunicação dos pais com a equipe da UTI é fundamental. Os pais têm direito de saber tudo que envolva o estado de saúde do bebê, para que possam garantir que ele receba todos os cuidados necessários. A equipe da UTI está preparada a prestar todo tipo de esclarecimento, portanto, peça ao médico que explique tudo em uma linguagem simples, e se não entender, não se intimide a perguntar mais uma vez. Seja persistente e seguro ao expressar suas preocupações.

Existem alguns aparelhos que podem ser usados no bebê, como o capacete de oxigênio usado geralmente em bebês com dificuldades respiratórias moderadas; a cânula nasal que é um tubo plástico capaz de fornecer quantidade suplementar de oxigênio; pressão respiratória positiva contínua (CPAP) que utiliza um tubo que é colocado nas narinas do bebê, garantindo um fluxo constante de ar nos pulmões e proporciona suplemento de oxigênio e pressão para manter as vias respiratórias abertas e drenos torácicos, um tubo ligado a um dispositivo de sucção que extrai o ar acumulado fora e permite que os pulmões se expandam.

Quanto aos exames, existem procedimentos e tratamentos que o pessoal da UTI poderá utilizar ao cuidar do bebê, que são: sangue, urina, fototerapia, transfusão, exames oftalmológicos, auditivos, radiografia, ecocardiograma, ultrassom cerebral, tomografia computadorizada e até exames mais minuciosos como a ressonância magnética. Existem ainda algumas técnicas mais recentes como a partilha da incubadora para o caso de gêmeos, onde é estimulado o contato direto, antes realizado no útero da mãe, a técnica canguru, que proporciona o contato direto do bebê com a pele da mãe ou do pai, e a massagem infantil, que ajuda o bebê a relaxar, favorecendo o ganho de peso e aliviando o desconforto dos gases.

Antes da alta da UTI é importante que se faça um treinamento básico sobre o modo correto de cuidar do bebê. Informe-se e oriente-se com a equipe que estará à disposição para prestar auxílio.