Cardiopatia congênita no bebê prematuro


Se o seu bebê prematuro tem cardiopatia congênita, isso significa que ele nasceu com um problema nas funções ou na estrutura do coração. Essa é uma condição de incidência significativa: atinge cerca de um em cada 100 bebês nascidos vivos, não só os prematuros. Existem vários tipos de cardiopatia, que podem ser simples ou mais graves.

Diagnóstico de cardiopatias congênitas no bebê prematuro

A taxa de mortalidade por cardiopatias congênitas pode ser drasticamente reduzida se o diagnóstico for feito cedo. Mesmo antes do nascimento do bebê, é possível descobrir se existe alguma alteração no coração, por meio de ultrassonografia morfológica. Se houver, é possível comprovar a existência de cardiopatia com um ecocardiograma fetal. O teste do coraçãozinho, que mede a quantidade de oxigênio no sangue, é feito ainda na maternidade e também é muito importante para rastrear cardiopatias congênitas graves.

Sintomas de cardiopatias congênitas no bebê prematuro

É importante ficar atento e avisar ao médico se o bebê prematuro apresentar as seguintes alterações:

  • Pontas dos dedos ou os lábios roxos;
  • Transpiração excessiva e cansaço durante as mamadas;
  • Respiração acelerada enquanto descansa;
  • Pouco apetite e baixo ganho de peso;
  • Irritação constante.

Fatores de risco para as cardiopatias congênitas no bebê prematuro

A cardiopatia congênita não tem uma causa definida, mas as chances do bebê ao nascer prematuro ter o problema são maiores se há outros casos na família ou se a mãe:

  • Tem mais de 35 anos;
  • Tem diabetes;
  • Teve rubéola durante a gravidez;
  • Tomou certos medicamentos durante a gravidez;
  • Consumiu álcool durante a gravidez;
  • Fumou durante a gravidez.

Tratamento de cardiopatias congênitas no bebê prematuro

O método de tratamento da cardiopatia congênita no bebê prematuro depende de sua gravidade. As opções incluem medicamentos, cateterismo, cirurgia e transplante. Mesmo após o tratamento, a maioria dos bebês – prematuros ou a termo - precisará de monitoramento contínuo e cuidados redobrados com a saúde. Em caso de dúvidas ou para mais informações, sempre consulte seu médico.